Pesquisa personalizada

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Verlaine

Oh! por causa de alguém, sem calma,
triste, triste estava minh'alma!

Jamais, jamais, me consolei,
mesmo depois que a abandonei!

E mesmo depois de a minh'alma
procurar longe dela a calma,

jamais, jamais, me consolei,
mesmo depois que a abandonei!

E meu coração, tão sensível,
diz à minh'alma: - É, pois, possível,

será possível, ele insiste
este exílio cruel e triste?

E a alma responde ao coração:
Sei lá porque esta ilusão

de estarmos perto, ainda que ausentes,
e, ainda que longe, tão presentes?

2 comentários:

Leonardo disse...

Eu gosto de poesia assim. Simplesinha e bonitinha ;).

Anônimo disse...

Ana Mathias,

Feliz ano novo! (Tardio o meu envio!). Vejo que você está meio fransesinha nestes últimos textos, com títulos que remetem a Verlaine e Voltaire. Figuras fortes que não implicaram em poemas draconianos - ao contrário, suaves!
Acompanho seu blog com interesse! Poetas de todo o mundo uni-vos!
Francisco

Presença!!